sábado, janeiro 06, 2007

CZESŁAW MIŁOSZ

CZESŁAW MIŁOSZ (1911-2004), poeta, romancista, historiador e ensaísta, nasceu a 30 de Junho de 1911, em Szetejny, na Lituânia, país onde se formou em direito pela Universidade de Vilnius. Foi um dos principais animadores culturais da tertúlia clandestina de Varsóvia, na Polónia, país que adoptou e o adoptou. Depois da ocupação nazi, trabalhou como diplomata em Nova Iorque, Washington e Paris, tendo recebido o Nobel da Literatura em 1980. A editora “Cavalo de Ferro” editou em 2004 a dupla antologia “Alguns gostam de poesia”, (poemas de Czesław Miłosz e Wisława Szymborska), numa tradução de Elżbieta Milewska e Sérgio das Neves, de onde reproduzo, com a devida vénia, este poema.



DESCRIÇÃO HONESTA DE MIM PRÓPRIO BEBENDO
UM WHISKY NO AEROPORTO, DIGAMOS DE MINEÁPOLIS

Os meus ouvidos escutam cada vez menos as conversas, os meus
[olhos enfraquecem, continuando porém insaciados.

Vejo as pernas delas de mini-saia, de calças,
[ou de tecidos vaporosos,

Espreito cada uma, os seus rabos e coxas, pensativo,
[embalado por sonhos porno.

Ó lascivo velho jarreta, estás com os pés para a cova
[e não para os jogos e brincadeiras da juventude.

Mas não é verdade, faço apenas aquilo que sempre fiz,
[compondo as cenas desta terra, movido pela
[imaginação erótica.

Não desejo justamente estas criaturas, desejo tudo,
e elas são como um sinal de convívio extático.

Não tenho culpa de sermos feitos assim, metade de
[contemplação

desinteressada e metade de apetite.

Se depois de morrer for para o Céu, lá, terá de ser como aqui,
apenas hei-de livrar-me dos sentidos entorpecidos
[e dos ossos pesados.

Transformado em puro olhar, continuarei a absorver
[as proporções
do corpo humano, a cor dos lírios, a rua parisiense
[na madrugada de Junho.
Enfim, toda a inconcebível, a inconcebível pluralidade
[das coisas visíveis.


4 comentários:

Serafim disse...

Queria felicitar o autor deste blogue por ter conseguido utilizar aqueles símbolos checos que são tão difíceis de fazer. Um desafio à globalização "Gatesiana" que nos dificulta, dia a dia os acentos, cedílhas e tis. Bem haja por isso, em nome das línguas complexas.

Nuno Gouveia disse...

Czeslaw Milosz é um poeta de que gosto muito.
No meu blog, wwwabraxas.blogspot.com, pode ler-se o poema "alguns gostam de poesia".
A todos os interessados, desde já agradeço a visita.

continuação de bom trabalho, ou deverei dizer, prazer, com o seu blog de referencia.

Um ano cheio de poesia!

Menina_marota disse...

Foi um prazer enorme descobrir este blogue, especialmente pelas referências que apresenta.

Feliz 2007

;)

João Luís Barreto Guimarães disse...

Nuno,
o poema que refere é de WISŁAWA SZYMBORSKA. A confusão dever-se-à à edição conjunta pela Cavalo de Ferro dois poetas polacos - é esse o poema que figura na contracapa do livro. Receba um abraço,
JL