segunda-feira, outubro 02, 2006

JOSEPH BRODSKY

JOSEPH BRODSKY (Leninegrado/São Petersburgo, 1940 – Nova Iorque, 1996) viveu 56 anos. Encontra-se sepultado no cemitério da ilha de San Michelle, em Veneza, perto de outros dois russos ilustres, Diaghliev e Stravinsky, que cedo trocaram o país de origem por uma vida pela Europa. Posso-vos também dizer que vive a 24 passos (dos meus) de Ezra Pound. Na sua poesia, galardoada com o Nobel da Literatura em 1987 e muito celebrada nos Estados Unidos, coexistem os assuntos do tempo (o futuro) e do espaço (a cidade), da dignidade e da política, do amor e da morte – disso são exemplo os poemas que se seguem. As suas metáforas, escreve Carlos Leite, tradutor português de Brodsky, “geralmente não são precisas em termos visuais, mas improváveis, exageradas, implausíveis mesmo. Decorrem mais da persistência do pensamento, da dificuldade de pensar, do que do simples olhar, fotográfico ou contemplativo.” Amigo de W. H. Auden, que o acolheu em Londres aquando da sua expulsão da União Soviética em 1972, é talvez dele a maior influência, nomeadamente a partir do seu período americano em que, a par da escrita de poemas em russo, também o faz em língua inglesa. Pode mesmo reconhecer-se em Brodsky uma rima muito Audeniana. Eis, com a devida vénia, dois exemplos retirados do livro “Paisagem Com Inundação”, traduzido por Carlos Leite para as Edições Cotovia, em 2001, o primeiro vertido do russo, o segundo do inglês:


M.B.

Querida, hoje saí de casa já muito ao fim da tarde
para respirar o ar fresco que vinha do oceano.
O sol fundia-se como um leque vermelho no teatro
e uma nuvem erguia a cauda enorme como um piano.

Há um quarto de século adoravas tâmaras e carne no braseiro,
tentavas o canto, fazias desenhos num bloco-notas,
divertias-te comigo, mas depois encontraste um engenheiro
e, a julgar pelas cartas, tomaste-te aflitivamente idiota.

Ultimamente têm-te visto em igrejas da capital e da província,
em missas de defuntos pelos nossos comuns amigos; agora
não param (as missas). E alegra-me que no mundo existam ainda
distâncias mais inconcebíveis que a que nos separa.

Não me interpretes mal: a tua voz, o teu corpo, o teu nome
já não mexem com nada cá dentro. Não que alguém os destruísse,
só que um homem, para esquecer uma vida, precisa pelo menos
de viver outra ainda. E eu há muito que gastei tudo isso.

Tu tiveste sorte: onde estarias para sempre – salvo talvez
numa fotografia - de sorriso trocista, sem uma ruga, jovem, alegre?
Pois o tempo, ao dar de caras com a memória, reconhece a invalidez
dos seus direitos. Fumo no escuro e respiro as algas podres.

1989


§


PARA A MINHA FILHA

Dai-me outra vida e estarei no Caffè Rafaella
a cantar. Ou estarei sentado a uma mesa,
simplesmente. Ou de pé, como um móvel no corredor,
caso essa vida seja menos generosa que a anterior.

Contudo, em parte porque nenhum século daqui em diante
conseguirá passar sem jazz nem cafeína, aguentarei esse desplante,
e pelas minhas rachas e poros, verniz e todo de pó coberto,
observarei, daqui a vinte anos, como a tua flor se terá aberto.

De um modo geral, lembra-te de que estou por ali. Ou melhor, que
um objecto inanimado pode ser o teu pai, sobretudo se
os objectos forem mais velhos do que tu, ou maiores. Não
os percas de vista, pois, sem dúvida, te julgarão.

Seja como for, ama essas coisas, haja ou não encontro.
Além disso, pode ser que ainda te lembres duma silhueta, dum contorno,
ao passo que eu até isso perderei, juntamente com a restante bagagem.
Daí estes versos, algo toscos, na nossa comum linguagem.


1994


1 comentário:

chiquita banana disse...

Um dos livros mais bonitos que li foi escrito por este senhor, chama-se "Marca de Água" e é a prova de que se pode escrever um poema sob a forma de prosa!!!