terça-feira, abril 18, 2006

PHILIP LEVINE

(actualizado)
PHILIP LEVINE nasceu em Detroit em 1928. Está editado em português na Quetzal (1992), na colecção "Poetas Em Mateus", edição colectiva revista e apresentada por Maria de Lourdes Guimarães. "M. Degas Teaches Art & Science At The Durfee Intermediate School - Detroit, 1942", foi para mim uma agradável surpresa quando o li no Abrupto há umas semanas atrás. Pequena homenagem àquele blogue e ao espaço que tem dedicado à poesia, esta minha tradução contou com a colaboração de Vasco Graça Moura.



M. DEGAS TEACHES ART & SCIENCE AT THE
DURFEE INTERMEDIATE SCHOOL – DETROIT, 1942


He made a line on the blackboard,
one bold stroke from right to left
diagonally downward and stood back
to ask, looking as always at no one
in particular, "What have I done?"
From the back of the room Freddie
shouted, "You've broken a piece
of chalk." M. Degas did not smile.
"What have I done?" he repeated.
The most intellectual students
looked down to study their desks
except for Gertrude Bimmler, who raised
her hand before she spoke. "M. Degas,
you have created the hypotenuse
of an isosceles triangle." Degas mused.
Everyone knew that Gertrude could not
be incorrect. "It is possible,"
Louis Warshowsky added precisely,
"that you have begun to represent
the roof of a barn." I remember
that it was exactly twenty minutes
past eleven, and I thought at worst
this would go on another forty
minutes. It was early April,
the snow had all but melted on
the playgrounds, the elms and maples
bordering the cracked walks shivered
in the new winds, and I believed
that before I knew it I'd be
swaggering to the candy store
for a Milky Way. M. Degas
pursed his lips, and the room
stilled until the long hand
of the clock moved to twenty one
as though in complicity with Gertrude,
who added confidently, "You've begun
to separate the dark from the dark."
I looked back for help, but now
the trees bucked and quaked, and I
knew this could go on forever.



§



O SENHOR DEGAS ENSINA ARTE E CIÊNCIA NA
ESCOLA INTERMEDIÁRIA DE DURFEE – DETROIT, 1942


Ele fez uma linha no quadro,
um traço negro da direita para a esquerda
a descer e recuou
para perguntar, sem olhar para ninguém em particular
como de costume: "O que é que eu fiz?"
Do fundo da sala Freddie
exclamou: "Quebrou um pedaço
de giz." O senhor Degas não sorriu.
"O que é que eu fiz?" repetiu.
Os alunos mais inteligentes
concentraram o olhar nas escrivaninhas
excepto Gertrude Bimmler, que levantou
a mão antes de falar. "Senhor Degas,
o senhor criou a hipotenusa
de um triângulo isósceles." Degas meditou.
Toda a gente sabia que Gertrude não podia
estar errada. "É possível,"
precisou ainda Louis Warshowsky,
“que tenha começado a representar
o telhado de um celeiro." Lembro-me
de que passavam exactamente vinte das
onze, e eu pensei que na pior das hipóteses
isto continuaria por mais quarenta
minutos. Era o inicio de Abril,
a neve não tinha ainda derretido nos
pátios do recreio, os olmos e o ácer
bordejando passeios rachados
tremiam com o vento novo, e ocorreu-me
que antes que me desse conta estaria
a caminho da loja de doces
para comprar um Milky Way. O senhor Degas
enrugou os lábios e a aula
acalmou até que o braço longo
do relógio se moveu para o vinte e um
como que em cumplicidade com Gertrude,
que acrescentara confidente: "O senhor começou
a separar o escuro do escuro."
Voltei-me a pedir ajuda mas agora as
árvores resistiam e tremiam e eu
percebi que isto podia durar eternamente.



4 comentários:

formol disse...

"a separar o escuro do escuro"...

fantástica série de antíteses em todo o poema entre a razão e o mundo.

aguinaldo ferreira disse...

formol escreveu em forma de sol: fantástica...etc

formol disse...

Caro Aguinaldo,

Agradeço o elogio, mas devo confessar que estava a escrever sob a capa discreta dos "Terrores da Noite", um opúsculo de Thomas Nashe (1567-1601?), que terá sido na sua época um texto importante para a interpretação de temas clássicos como, entre muitos, a nebulosa escuridão do mundo.

Segundo os especialistas, os textos de Thomas Nashe, e sobretudo o ambiente de relato de "expedição moral" que culminará mais tarde nos textos parabólicos do "Pilgrim's Progress", terão sido a base das melhores tiradas de Macbeth e dos dilemas do príncipe Hamlet.

Sob o notável auspício dos textos ingleses, traduzo com liberdade umas linhas de Nashe, circa 1594:

«Os óculos da nossa visão, durante a noite, são como os óculos prospectivos que um tal Hóstio fez em Roma, que representavam a imagem das coisas de uma maneira muito maior do que são na realidade. De cada partícula no escuro faziam um monstro, e de cada mais pequeno brilho faziam um gigante.»

formol disse...

ouvir