quinta-feira, fevereiro 23, 2006

BETH ANN FENNELLY

(actualizado) BETH ANN FENNELLY nasceu em Cranford, New Jersey, em 1971 e cresceu nos súburbios de Chicago. Formou-se na Universidade de Notre Dame e após a graduação, em 1993, passou um ano a ensinar inglês na República Checa. É actualmente professora na Universidade do Arkansas. Poem Not To Be Read At Your Wedding, descrito por Beth Ann como um anti-poema, foi o seu primeiro texto a ser publicado. Carmen Lund, sua companheira de quarto na faculdade, nunca chegou a receber outro presente de casamento para além deste poema.



POEM NOT TO BE READ AT YOUR WEDDING

You ask me for a poem about love
in lieu of a wedding present, trying to save me
money. For three nights I’ve lain under
glow-in-the-dark stars I’ve stuck to the ceiling
over my bed. I’ve listened to the songs
of the galaxy. Well, Carmen, I would rather
give you your third set of steak knives
than tell you what I know. Let me find you
some other store-bought present. Don’t
make me warn you of stars, how they see us
from that distance as miniature and breakable,
from the bride who tops the wedding cake
to the Mary on Pinto dashboards
holding her ripe red heart in her hands.



§ (tradução colectiva PoesiaIlimitada)



POEMA PARA NÃO SER LIDO NO TEU CASAMENTO

Pedes-me um poema sobre o amor
em lugar de uma prenda de casamento, tentando que eu poupe
dinheiro. Por três noites estendi-me sob
estrelas que-brilham-no-escuro colei-me ao tecto
sobre a minha cama. Escutei as canções
da galáxia. Bem, Carmen, eu preferiria antes
dar-te o teu terceiro jogo de facas de carne
a ter de te contar o que sei. Deixa que te descubra
algum outro presente de loja, comprado. Não
me faças avisar-te das estrelas, de como nos vêem
à distância, tão diminutas e quebráveis,
desde a noiva que encima o bolo de casamento
até Maria, no tablier de um Ford Pinto
segurando seu coração rubro e maduro entre mãos.



(Obrigado a formol (boa malha!), m. andrade e alfinete...)


7 comentários:

João Luís Barreto Guimarães disse...

"Dashboard" - painel de instrumentos; quadro de instrumentos; (E.U.A. - guarda-lamas).

And what about "Mary on Pinto"?

formol disse...

Sta Maria no tablier de um Ford Pinto, I presume.

algures aqui

m. andrade disse...

É tão interessante traduzir-se poesia. É sempre imperfeito! é preciso tanta humildade... exercícios portentosos de humildade. Aprende-se imenso.

alfinete disse...

Boa malha, formol. Também há uma artista "marion pinto", com pastiches de arte sacra, mas não dá com o "dashboard".
E por que não "avisar-te das estrelas"?
e
"estrelas-que-brilham-no-escuro colei-me ao tecto"
ou "estrelas fluorescentes colei-me ao tecto"...
Obrigado pela poesia

alfinete disse...

Reconhecido e contente. Mas, assim como está a questão do Ford Pinto tem de ser "à Maria" (não "a Maria"), senão pode parecer um bolo com a Maria em cima + o tablier

Poesia Portuguesa disse...

Ah... e, os Poetas Portugueses onde entram?
Não leve a mal... adoro poesia... Portuguesa! ;)

António Ladeira disse...

Aproveito para cumprimentar o João Luís Barreto Guimarães, que não vejo há muitos anos...

Nos EUA, onde vivo há 14 anos, são muito populares umas estrelinhas fosforescentes ("glow in the dark") que se colam ao tecto, geralmente sobre a cama, para que, no escuro da noite, possamos imaginar que nos encontramos sob um céu estrelado.

Deve ser isso o que quer dizer a autora, não que se "cola", ela mesma (sujeito poético) ao tecto...

Um grande abraço João Luís,

António Ladeira