sábado, agosto 28, 2010

MANUEL RESENDE acerca de KIKI DIMOULÁ

«KIKI DIMOULÁ (Atenas, 1931) pertence à geração de poetas gregos que se estreou depois da guerra e da guerra civil, e toda a sua obra se debruça sobre a vida quotidiana. Escolhi (e traduzi) o poema “Quadro Biográfico” porque mesmo depois de o ler repetidas vezes, sempre me produz a mesma emoção.»

Manuel Resende colocou um pequeno filme no You Tube, onde lê "Quadro Biográfico" para os leitores do Poesia Ilimitada.

Kiki Dimoulá venceu o
Prémio Europeu de Literatura de 2010. Na página da web do referido prémio (aqui) Kiki faz a seguinte afirmação: "Mes études supérieures: les années passées auprès du poète Àthos Dimoulas", seu marido.




QUADRO BIOGRÁFICO

A casa
fita o caminho público
e o mar
com a lógica de quatro janelas,
rindo-se estereotipadamente
com uma ampla varanda
cor-de-laranja.

Nessa varanda
nesse sorriso
às tardes, a minha mãe
expõe o rosto
ilegível.

O tempo o compôs
sem impulsos
noite após noite
numa língua que escorre dor,
enchendo
páginas de usura.
E nem sequer o erro dum riso.

Senta-se
na pontinha da cadeira
para não pesar na tarde
com todo o peso do seu coração adoentado,
apenas para existir
parada no meio da vida
por uma suspensão do destino,
apenas para poder aguentar agora
o espasmo do seu espanto:

«Existem mares
e barcos nervosos
que empurram soluções
para aquilo que não tem obstáculos?
E ventos que desenraízam aquilo que estagna?
E aquilo que é compreensível onde bebe cores
a tarde alcoólica,
existe?» Não sabe.
Não o soube a sua vida.

Agora
ousa um movimento estranho:
lança o corpo um pouco em frente,
torna a encostá-lo para trás,
dá fortes remadas da memória,
vidro vidro as suas lágrimas.

Pouco a pouco
tarde, rosto e varanda
são minados pelo crepúsculo.
A sua forma enlouquece.
Fecham-se num espaço tumular
para não voltarem a entrar nos no olhar.
Anoitece


§


Manuel Resende (Porto, 1948), poeta e tradutor, publicou Natureza Morta com Desodorizante (Gota d'Água-INCM, 1983), Em Qualquer Lugar (&etc, 1997) e O Mundo Clamoroso, ainda (Angelus Novus, 2004). Traduziu poesia, dedicando especial atenção aos poetas gregos, nomeadamente, K. Kariotákis, N. Engonópoulos, Odisséas Elytis, G. Seféris, Kiki Dimoulá, etc. De entre as suas muitas outras traduções publicadas, destacam-se Coriolano e Otelo, de Shakespeare e A Caça ao Snark, de Lewis Carroll.

Sem comentários: