sábado, novembro 03, 2007

SÁNDOR KÁNYÁDI


Outro dos livros que a Limiar publicou - este em 1991 - de poetas húngaros foi “Três Poetas Húngaros – LAJOS KASSÁK, JÁNOS PILINSZKY e SÁNDOR KÁNYÁDI”, com tradução de Egito Gonçalves, em colaboração com Zoltán Rózsa.


O poeta e pintor LAJOS KASSÁK (1887-1967), personagem de uma vida fascinante e difícil, está representado nesta recolha com o poema longo “O Cavalo Morre, Os Pássaros Levantam Voo”, onde são claramente perceptíveis influências futuristas, dadaístas e expressionistas (“no fundo as árvores são raparigas grávidas / que sussurram entre si e dizem: / se ele se vai embora suicido-me”);



JÁNOS PILINSZKY (1921-1981), nascido em Budapeste de mãe alemã e pai polaco, vê a sua poesia marcada pela “experiência da deportação para campos de concentração alemães (…). Existencialista, dá de si mesmo a imagem de um homem frágil permanentemente ameaçado com uma visão apocalíptica e severa do mundo (…) A sua poesia caracteriza-se, quanto à escrita, por um laconismo que não exclui a extrema densidade, disciplina formal e uma arte singular de unir o mais exacto ao mais enigmático.



Onde eu queria chegar era a este terceiro nome, SÁNDOR KÁNYÁDI (1929-), sacerdote, “consciência viva dos dois milhões e meio de húngaros na Roménia, que foram humilhados e ofendidos na sua dignidade nacional por decénios (…). A sua poesia é substancial, essencial, sem ornamentos, pura e reduzida ao mínimo necessário para poder exprimir, através do seu sofrimento, o sofrimento do seu povo, a dor de todos os torturados, vencidos e humilhados de todos os tempos." Eis três poemas, com a devida vénia.



EXISTEM LUGARES


existem lugares onde
os súperfluos
nascituros cães e gatos
são afogados
ou enterrados vivos
mas sempre antes
de abrirem os olhos

mas sempre antes
de abrirem os olhos



§



ÚLTIMA ORAÇÃO DO VELHO


dai-me a coragem para que eu possa
pôr a corda ao pescoço
dai-me depois força Senhor
para o último salto
ámen



§



POEMAS ESCRITOS NA UNHA


Chuva de arame farpado.
Os céus
baixaram-se ao nosso nível.


Haverá garganta
para gritar mais tarde
o que agora calamos?


Engole a tua língua!
Com ela podes saciar-te:
mas somente uma vez.


Domingo de Ramos.
Burro temos, mas, de Cristo,
não temos o espírito.


Ó provincianismo!
Também Mefistófeles, de pé espalmado,
é funcionário público.


Cuidado com o passado!
Ele pode embebedar-te, nunca te saciará.


2 comentários:

P.T. disse...

bonito o "existem lugares"...

Adriana disse...

Adorei esse poeta. Simples, forte.