segunda-feira, abril 09, 2007

PEDRO SEVILLA

PEDRO SEVILLA (Arcos de la Frontera, Cádiz, 1959 - na foto), é um dos poetas traduzidos por Joaquim Manuel Magalhães em “Poesia Espanhola de Agora” (volume 1, Relógio d’Água, Lisboa, 1997). Com a devida vénia:



SENSAÇÃO DE VIVER

Para Ángela Sevilla


Que me enchas a casa de perfumes e de meias
de vidro e me quebres,
com as mais recentes bandas sonoras da vida,
o ritmo dos versos que trato de escrever,
isso posso compreendê-lo.
Compreendo
a arritmia na aritmética, o desprezo que tens
pelos Áustria, os corações vermelhos
na brancura virgem das tuas folhas,
as tuas primeiras dores de mulher,
compreendo isso tudo.
Mas não me provoques, minha filha:
não me tragas para casa tão doces miúdas de quinze anos
com olhos inexplicáveis, com olhares
ainda mais inexplicáveis. Diz-lhes que não pintem
os lábios ao meu espelho, que não te emprestem roupa.
Não metas no meu inferno esses diabos
que me tratam por senhor. Sê boa filha
e evita ao teu pai o duro lance
de morrer de amor pela tua melhor amiga.


2 comentários:

salomé disse...

muito nabokov. :)

Paralaxe disse...

Este blog está listado no

Directório Paralaxe