segunda-feira, abril 30, 2007

PAUL VIOLI

PAUL VIOLI nasceu em Nova Iorque em 1944 e cresceu em Greenlawn, Long Island. Tem quatro livros de poesia publicados. É professor na New Scholl e na Columbia University.



COUNTERMAN

- What'll it be?

Roast beef on rye, with tomato and mayo.

- Whaddaya want on it?

A swipe of mayo.
Pepper but no salt.

- You got it. Roast beef on rye.
You want lettuce on that?

No. Just tomato and mayo.

- Tomato and mayo. You got it.
. . . Salt and pepper?

No salt, just a little pepper.

- You got it. No salt.
You want tomato.

Yes. Tomato. No lettuce.

- No lettuce. You got it.
. . . No salt, right?

Right. No salt.

- You got it. - Pickle?

No, no pickle. Just tomato and mayo.
And pepper.

- Pepper.

Yes, a little pepper.

- Right. A little pepper.
No pickle.

Right. No pickle.

- You got it.
Next!

Roast beef on whole wheat, please,
With lettuce, mayonnaise, and a center slice
Of beefsteak tomato.
The lettuee splayed, if you will,
In a Beaux Arts derivative of classical acanthus,
And the roast beef, thinly sliced, folded
In a multifoil arrangement
That eschews Bragdonian pretensions
Or any idea of divine geometric projection
For that matter, but simply provides
A setting for the tomato
To form a medallion with a dab
Of mayonnaise as a fleuron.
And - as eclectic as this may sound –
If the mayonnaise can also be applied
Along the crust in a Vitruvian scroll
And as a festoon below the medallion,
That would be swell.

- You mean like in the Cathedral St. Pierre in Geneva?

Yes, but the swag more like the one below the rosette
At the Royal Palace in Amsterdam.

- You got it.
Next!



§



CAIXA

- O que vai ser?

Rosbife em centeio, com tomate e maionese.

- Oquéque vai querer dentro?

Um toque de maionese.
Pimenta mas sem sal.

- É para já. Rosbife em centeio.
Quer alface?

Não. Só tomate e maionese.

- Tomate e maionese. É para já.
… Sal e pimenta?

Sem sal, só um pouco de pimenta.

- É para já. Sem sal.
E quer tomate.

Sim. Tomate. Sem alface.

- Sem alface. É para já.
… Sem sal, certo?

Certo. Sem sal.

- É para já. – Pickles?

Não, sem pickles. Só tomate e maionese.
E pimenta.

- Pimenta.

Sim, um pouco de pimenta.

- Certo. Um pouco de pimenta.
Sem pickles.

Certo. Sem pickles.

- É para já.
Próximo!


Rosbife em trigo inteiro, por favor,
Com alface, maionese, e no centro uma fatia
De tomate para bife.
A alface aberta, se puder ser,
Numa variação Belas Artes de um acanto clássico,
E o rosbife, finamente fatiado, dobrado
Num arranjo multilobado
Que evite pretensões Bragdonianas
Ou qualquer ideia de projecção geométrica divina
Nesse aspecto, mas simplesmente proporcione
Uma colocação para o tomate
Formar um medalhão com uma pincelada
De maionese qual um florão.
E – por mais eclético que isto possa soar –
Se a maionese puder também ser aplicada
Ao longo da crosta como um rolo de papel Vitruviano
Qual florão sob o medalhão,
Isso seria incrível.

- Está a dizer como na Catedral de S. Pierre em Genebra?

Sim, mas a grinalda mais como aquela sob a roseta
Do Palácio Real de Amesterdão.

- É para já.
Próximo!



NOTA: Acerca de "Counterman”, escreve Paul Violi: “Cruzei-me por acaso com um apontamento no meu bloco onde tinha estado a ensaiar o tempo e a dicção de um diálogo numa deli. Já não o lia há aproximadamente ano e meio e julgava que já não ia fazer nada daquilo, quando dois incidentes me despertaram o poema. Eu tinha estado numa deli na West Third Street, em Manhattan, e escutara um cliente com uma voz muito pesada apresentar este silogismo a um caixa mexicano: ‘Então, tu nunca foste à Irlanda, certo? Então, não sabes o que estás para aí a dizer, certo? Então, tu devias era fechar essa boca, certo? ’ Depois entreolharam-se de um modo muito agudo e todo a gente ficou tensa. A seguir desmancharam-se a rir. Aparentemente aquilo era uma rotina que eles tinham diariamente. O outro incidente ocorreu numa deli de Hoboken, vinte anos antes. Um caixa taciturno e solene aceitou a minha ordem e procedeu com tanto cuidado que parecia que cada sanduíche que ele fazia era a Sanduíche Perfeita. Não me disse uma única palavra e serviu-me com uma atitude que me pareceu uma mistura de dignidade e desdém. Embora o poema não retenha qualquer uma dessas memórias, ocorreu-me somar este episódio ao primeiro e depressa entraram em diálogo".



1 comentário:

Confúcio Costa disse...

Bastante interessante.

Abraço.