domingo, abril 22, 2007

CESÁRIO VERDE (2)

Já aqui me referi anteriormente a este livro. Acabo de o ler pela quinta vez (novembro de 96, dezembro de 99, setembro de 2002, dezembro de 2004 e abril de 2007) - significativo como, com a excepção da última vez, procuro mais vezes Cesário no Outono do que na Primavera.

A Vida de Cesário Verde”, de João Pinto de Figueiredo (com prefácio e selecção de poemas de David Mourão-Ferreira), foi reeditado pela Editorial Presença em 1986, na Colecção Poetas – custava, na altura, 680$00. Não sei se hoje ainda é possível encontrar exemplares para venda, nomeadamente nas feiras do livro que se aproximam mas se o encontrarem aconselho a que não se furtem à sua aquisição e leitura.

A falta de rigor académico apontada a este texto é o que menos importa nesta biografia de Cesário Verde. Disso mesmo faz eco David Mourão-Ferreira no seu avisado prefácio, notando - sem deixar de longamente elogiar o biografo pelo seu amor à poesia - que João Pinto de Figueiredo não se tornou propriamente conhecido por mencionar exaustivamente as fontes dos seus trabalhos – o autor publicou também um outro livro significativamente intitulado “A Morte de Mário de Sá-Carneiro”. Decerto que a anunciada biografia que Maria Filomena Mónica se encontra a escrever sobre o poeta de Lisboa – pareceu-me ler isso mesmo numa crónica sua, há tempos editada na Pública – não padecerá deste mal. Mas o que neste livro me prende e me faz regressar é o modo feliz como João Pinto de Figueiredo, com uma técnica próxima da pincelada impressionista, reconstrói com algum detalhe - e outro tanto de adivinhação, não esqueçamos o incêndio em Linda-a-Pastora que nos privou de grande parte do seu espólio - os passos da vida de Cesário, recorrendo à obra poética disponível de pendor fortemente biográfico, a cartas e escritos de contemporâneos seus, tanto quanto à tradição oral.

É um livro delicioso para quem ama este nosso pré-modernista. Um detalhado retrato que “dava um filme”. Porque no caso de Cesário Verde, é frequente gostar-se tanto da sua obra como do aroma baudelairiano da sua vida, errando pelas ruas e cafés de Lisboa. Na impossibilidade de aqui reproduzir as quase 180 páginas que constituem o corpo principal desta obra (a vida de Cesário é seguida de uma antologia das suas melhores poesias, escolhidas por David Mourão-Ferreira), aqui seguem alguns extractos – o trailer do livro, um pouco ao acaso – como o flanar de um perfume. Com a vénia de vida.


§

“Nas veias do poeta corre, pois, sangue genovês, sangue de Itália e talvez também dessa austera Provença calcinada pelo sol e batida pelo mistral com descarnadas montanhas celebrizadas por grandes pintores, sangue que por pertencer a gente de comércio, habituada a manusear ferragens e fazendas, predispunha mais para o exame concreto da realidade do que para a secura intelectual das abstracções, e ainda sangue português (…)” – págs. 18-19

§

“Com tantos livros à sua disposição [biblioteca de José Verde], Cesário leu decerto muito, embora desordenadamente, com é próprio dum autodidacta.” – pág. 32

§

“(…) a maneira sincopada de Cesário escrever e também a sua gaucherie, se acaso imprudentemente se aventura nos meandros de um longo período, revelam, em nossa opinião, que ele só sabia conceber a vida como uma sucessão de instantes, uma série descontínua de presentes.” – pág. 34

§

“A vantajosa situação do estabelecimento proporcionava a Cesário, que aí começou a trabalhar nos princípios de Janeiro, a visão de duas cidades diferentes. Do lado do rio estava a Lisboa industrial, marítima, dos calafates e das varinas, dos arsenais e das oficinas, dos «cais a que se atracam botes»; do outro, Lisboa mercantil, burguesa, dos magasins, das costureiras e das elegantes «curvadas, a sorrir, às montras dos ourives».” – págs. 38-39

§

“Cesário, porém, não tinha segredos. Nem nada, aliás, que merecesse a pena ser contado. Não renegara a família; não desejara ser pirata; não se tentara alistar em exércitos estrangeiros. A única coisa a distingui-lo do comum era a particularidade de, nas horas vagas, haver escrito alguns poemas…” – pág. 54

§

“Mas nem para todos a poesia é «silva esotérica para raros apenas». Há seres que a conseguem descobrir ao nível do prosaico, na aparente a-poética trivialidade da vida corrente, sendo isso mesmo que começa a acontecer a Cesário (…)” – pág. 78

§

“Para um poeta do instante nada podia haver melhor, com efeito, que o espectáculo citadino, espectáculo extremamente móvel e variável em que há sempre notas fugazes geradoras das sensações donde nasce a poesia.” – pág. 99

§

“Era da essência da sua poesia não poder dispensar a colaboração da realidade.” – pág. 111

§

“O idílio deve ter começado entre 21 de Dezembro e 8 de Janeiro [de 1878 – 1879], período em que Cesário repartia o seu tempo entre a família e os cafés e teatros – e estamos a vê-lo, numa noite de Inverno, batendo à porta do camarim de Tomásia [Veloso, actriz nascida a 22 de Abril de 1865], porta naturalmente guardada por uma inevitável mãe, empresária exigente da carreira amorosa da vedeta.” - pág. 113

§

“Cesário, já o sabemos, fazia poesia caminhando. Autêntico homo viator, os seus poemas são em geral um passeio, comparáveis a certos poemas-passeio de Apollinaire.” – pág. 119

§

“(…) Cesário era detestado por monárquicos e republicanos, honrosa performance de que bem poucos se podiam orgulhar. A circunstância de ser «rico» impedia-o de ser bem acolhido pelos «revolucionários»; a de ser comerciante pelos aduladores e parasitas da Aristocracia, embora a novidade e a beleza dos seus versos fosse talvez a principal causa do ódio de ambos os partidos.” – pág. 124

§

“Entretanto, no Porto, a 8 de Dezembro [de 1879], Silva Pinto toma conhecimento da morte de seu pai, ocorrida dias antes, acontecimento que aparentemente nenhuma importância tem na vida de Cesário e que foi, no fundo, a causa remota de nós o conhecermos como poeta. De facto, se não fosse a fortuna herdada pelo jornalista, este não poderia ter publicado à sua custa O Livro de Cesário Verde.” – pág. 125

§

“Nessa carta, escrita em 16 de Julho [de 1879, a Bettencourt Rodrigues, então a estudar Medicina em Paris], Cesário confessava ao seu antigo companheiro de estúrdia o grande desejo que sentia de sair de Portugal, «foco de mandriice e de asneiras» e ir trabalhar para França (…).
Depois, quando o sonho acaba, afunda-se desconsoladamente numa crise de tédio, de desalento, de melancolia que, no fundo, não é dele, não está nele, mas no país…” – pág. 126

§

“Que as luzes dos andares fascinassem Cesário compreende-se – não há nada mais profundo, mais misterioso que uma janela iluminada por uma candeia, disse Baudelaire – compreendendo-se também a sua fascinação por tascas, cafés, tendas e estancos, enfim, por todos os ambientes fechados onde o seu inato intimismo e a sua vocação para a análise míope dos realistas se compraziam.” – pág. 131




Cesário Verde nasceu a 25 de Fevereiro de 1855, na Rua da Padaria, em Lisboa, e morreu na mesma cidade, no Paço do Lumiar, a 19 de Julho de 1886, com 31 anos, vítima de tuberculose.

1 comentário:

F.Santos disse...

Só para dizer que cheguei!
www.temporalizar.blogspot.com