sexta-feira, janeiro 27, 2006

W. H. AUDEN

FUNERAL BLUES (1936)

Stop all the clocks, cut off the telephone,
Prevent the dog from barking with a juicy bone,
Silence the pianos and with muffled drum
Bring out the coffin, let the mourners come.

Let aeroplanes circle moaning overhead
Scribbling on the sky the message He Is Dead,
Put crêpe bows round the white necks of the public doves,
Let the traffic policemen wear black cotton gloves.

He was my North, my South, my East and West,
My working week and my Sunday rest,
My noon, my midnight, my talk, my song;
I thought that love would last for ever: I was wrong.

The stars are not wanted now: put out every one;
Pack up the moon and dismantle the sun;
Pour away the ocean and sweep up the wood;
For nothing now can ever come to any good.


§


BLUES FÚNEBRE

Parem todos os relógios, desliguem o telefone,
Impeçam o cão de latir com um osso enorme,
Silenciem os pianos e ao som abafado dos tambores
Tragam o caixão, deixem as carpideiras carpir suas dores.

Deixem os aviões aos círculos a gemer no céu
Rabiscando no ar a mensagem Ele Morreu,
Ponham laços crepe nas pombas brancas da nação,
Deixem os sinaleiros usar luvas pretas de algodão.

Ele era o meu Norte, meu Sul, meu Este e Oeste,
Minha semana de trabalho, meu Domingo de festa
Meu meio-dia, meia-noite, minha conversa, minha canção;
Pensei que o amor ia durar para sempre: foi ilusão.

As estrelas já não são precisas: levem-nas uma a uma;
Desmantelem o sol e empacotem a lua;
Despejem o oceano e varram a floresta;
Porque agora já nada de bom me resta.

7 comentários:

Hortência disse...

Um tanto de pessimismo às vezes no afeta... O importante na poesia, o mais delicado dela, é que depois de um dia pessimista, venha cantar uma manhã de esperança, que contribua às almas de quem a Lê.

Sistermoonshine disse...

Tão docemente triste este funeral blues... bem haja por mo ter dado a conhecer

Rute Mota disse...

Conheço uma outra tradução, mas gosto muito da sua. Bela solução: sem dano para a mensagem do poema, respeita o esquema rimático.

lídia disse...

Um dos meus poemas de eleição, infelizmente dado a conhecer num filme como o "4 casamentos e 1 funeral"

A dor da partida inspira poemas extraordinários. POr vezes, bem melhores que a alegria do dia a dia.

Andarilho das Estrelas disse...

Gostei muito do seu blog e utilizei esse seu post no meu blog
www.musaimpossivel.blogspot.com um blog que faço para poder falar de uma paixão que me sufica e esse poema tem tudo haver com o meu momento. Vou colocar o link para seu blog em meu blog. Obrigado.

Efigênia Coutinho disse...

Belíssimo trabalho de literatura, bom gosto,
Efigênia Coutinho
Escritora

ackroque disse...

Melhor a tradução que não se prende a literalidade, mas, consegue trazer a emoção. Essa tradução desse poema genial está perfeita, é pura emoção. Abraço!